Apple, Gadgets, Mobile

Brasil é um dos mercados mais rentáveis em aplicações para iPhone.


Com um crescimento anual de receitas na ordem dos 83%

Até há dois anos atrás, os Estados Unidos da América (E.U.A.), eram a principal fonte de rendimento da maioria das aplicações pagas na App Store da Apple. Dois anos passaram e o cenário parece ter mudado na terra do Tio Sam. Actualmente este país apenas é responsável por 35% das vendas relativas às aplicações mais rentáveis da App Store no somatório de todos os países. Mas o que será que mudou?

A Distimo, empresa especialista em tratamento estatístico de tendências na App Store da Apple, disponibilizou recentemente dados interessantes que comprovam um facto: a liberalização global do mercado de aplicações móveis. Segundos os dados, o Brasil é um dos países em que se registou um maior aumento na compra de aplicações para iPhone. No top 10, o Brasil está em 6º lugar com um crescimento anual previsto de 83%. A Rússia, Turquia e México também registaram aumentos consideráveis neste ano com um aumento de 115%, 63% e 54% respectivamente. A lista contém no top 3  além da Rússia, as duas grandes potências orientais o Japão e a China.

Uma análise mais cuidada os dados estatísticos em especial ao total facturado por cada App Store das quatro potências anteriores, o Brasil registou um aumento absolutamente galopante. Em Abril de 2012 as vendas relativas às 200 principais aplicações e jogos da App Store brasileira chegaram a facturar, no total cerca de 225 mil dólares. Este valor chegou inclusive a ultrapassar os valores registados pela Rússia. Contudo, estes dados têm uma explicação óbvia, antes de Abril deste ano não existiam jogos disponíveis na App Store brasileira. A prova disso é que em Maio, depois da euforia inicial da disponibilização de títulos de entretenimento, o Brasil perdeu terreno em relação às receitas das aplicações em relação à Rússia. Apesar deste aspecto a App Store do Brasil é segundo estes dados o mercado mais rentável de aplicações para iPhone da América Latina.

Mas, como se não bastasse existem outros factos de bastante relevância. Os Brasileiros de entre as quatro potências emergentes analisadas, foram os que mais gastaram em aplicações totalmente pagas. A proporção de aplicações comerciais compradas, neste país foi ainda maior que as aplicações oferecidas no formato “freemium”. Este último modelo de negócio, caracteriza-se em disponibilizar uma aplicação/jogo totalmente gratuita/o e possibilita a compra dentro da aplicação de upgrades para oferecer funcionalidades extra.

Conclusão:

Este dados claramente demonstram que o Brasil é um dos mercados com maior potencial de crescimento de aplicações para iPhone, sendo sem dúvida o maior mercado mundial de língua Portuguesa. O crescimento económico que o país tem registado não parece alheio a esta tendência, e eventualmente pode ter sido um dos seus principais catalisadores. Os dados da Distimo revelam uma oportunidade única por agarrar por parte dos autores de aplicações que queiram desenvolver aplicações / jogos comerciais em português, ou queiram traduzir os seus títulos existentes para a língua de Camões.

Fonte: The Next Web


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *