Futuro hoje, Notícias, Tecnologia

Google prevê venda de automóveis auto dirigíveis dentro de cinco anos


O investimento que a Google tem feito ao longo dos anos em investigação na área de automóveis sem motoristas pode se materializar num produto comercial dentro dos próximos três a cinco anos. Apesar do optimismo, a empresa enfrenta forte oposição de órgãos reguladores e companhias de seguros.

Anthony Levandowski, gerente de produtos da Google que trabalho no projeto, referiu que a empresa espera que os benefícios que este sistema podem trazer para sociedade pode resultar em “automóveis que conduzem de forma mais segura do que as pessoas fazem”. A forma final do produto em si ainda tem de ser determinado pelo Google, com o mesmo sistema ainda a ser ser alvo de testes em estradas.

Contudo se este recurso chegar ao mercado terá que começar por algum país, e neste campo tudo indica que a Google estará disposta a fazer experiências piloto nos EUA. Aliás, o administrador adjunto para a segurança dos veículos nas estradas nacionals dos EUA, Dan Smith, sugeriu que esta agência iria necessitar de criar novas regras para automóveis de condução automática, bem como uma metodologia para testes.

img_google_self_cars_02

Levandowski, que ajudou a projectar o carro de auto-condução, afirma que o maior desafio do Google é garantir a confiabilidade do software que faz a movimentação do carro, porque em teoria uma avaria significaria que nada seria capaz de controlar o veículo.

“Nós estamos realmente a nos concentrar na propriedade da confiabilidade para que possamos confiar e entender o sistema irá executar de forma segura em todas as condições”, referiu Levandowski. “Como poderá confiar no sistema? Como sabe como ele pode executar? Como poderá projectá-lo com processos adequados, a fim de compreender e minimizar avarias? Como será possível incluir um sistema redundante de travagem no automóvel? ” São perguntas que a Google pretende responder.

Em um automóvel dirigido por uma pessoa, se a direcção assistida falha ou uma luz se apaga, uma pessoa poderá estar em a bordo e assumir o controlo para descobrir o que fazer. Um automóvel de auto dirigível teria de ser ensinado de como reagir a todos os tipos de cenários de risco que podem ocorrer com pouca ou nenhuma margem para erro. Estes automóveis, também precisariam de adquirir o tipo de decisão racional que uma pessoa faz quando vê uma bola a se atravessar à sua frente. Neste caso seria assumir que esse evento pode ser seguido por uma criança a correr atrás dela e reduzir a velocidade ou parar.

As seguradoras também teriam de mudar a sua forma de operar e perceber como lidar com acidentes envolvendo veículos auto dirigíveis. Enquanto os prémios de seguro para este sistema provavelmente seriam descontados da mesma forma que actualmente, outros problemas para as seguradores poderiam surgir.

Um desses exemplos seria de como apurar a responsabilidade dos condutores um dos principais temas em debate levantados pelas seguradoras. Antes que estes automóveis inteligentes possam iniciar a sua produção em massa, as preocupações de segurança e questões legais terão de ser resolvidos. Via bloomberg


1 comentário em Google prevê venda de automóveis auto dirigíveis dentro de cinco anos

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *