google_ballons_Project_Loon Ciência, Futuro hoje

Laboratório secreto da Google revela projeto Loon: Balões estratosféricos para levar internet a todos


O Google X – o laboratório secreto do gigante da internet – acaba de revelar o seu novo projeto com o qual pretende levar a internet a todos os habitantes do planeta. A ideia é tão simples que parece louca, mas a verdade é que já está a ser testada na Nova Zelândia. Os engenheiros da Google pretendem cobrir o planeta com gigantescos balões estratosféricos que enviam sinal wifi a todo o lado.


Dois em cada três habitantes do planeta não está online, mesmo que queira e tenha condições económicas para isso. Mas simplesmente habita num local onde não há qualquer cobertura. Os engenheiros do laboratório secreto da Google – o Google X – pretendem resolver o problema com uma rede de grandes balões – semelhantes aos balões meteorológicos – que enviarão o sinal wifi desde uma altitude de 20 quilómetros.

O projeto Loom começou a ser desenhado este ano mas já está em fase de experimentação na Nova Zelândia, onde 30 balões já foram lançados e estão agora ligados a antenas recetoras especiais para testar a qualidade do sinal. O laboratório secreto Google X é o mesmo onde nasceram os Google Glass e que começou o projeto dos automóveis auto-comandados.

A tecnologia e a ciência por trás deste projeto é bastante simples. Os balões são colocados a uma altitude de 20 quilómetros, na estratosfera, e os engenheiros da Google são capazes de os controlar a partir do posto de comando. os balões utilizam as duas correntes existentes àquela altura, para os movimentar no sentido leste-oeste ou na direção oposta. Pode ver uma explicação mais pormenorizada no vídeo do laboratório Google X mais à frente.

A colocação dos balões a 20 quilómetros de altitude obedece a duas razões fundamentais para o sucesso do programa. Por um lado, é aqui que se encontram as correntes de ar que os engenheiros pretendem utilizar para movimentar os balões. E por outro lado, esta é uma altitude segura para o tráfego aéreo, uma vez que a imensa maioria dos aviões voa até uma altitude de 10 quilómetros e os balões meteorológicos estão colocados a uma altura de 25 quilómetros.

Conheça a tecnologia:

<

Se os testes correrem bem, a Google prevê que dentro de poucos anos toda a humanidade tenha a possibilidade teconológica de estar conetada. Com este projeto, barreiras como os oceanos, as montanhas ou as selvas deixarão de ser um obstáculo à existência de sinal, uma vez que os balões poderão cobrir eventualmente todo o planeta com sinal wi-fi a uma velocidade equivalente ao 3G “ou ainda mais rápido”, de acordo com o anúncio feito no blog oficial do Google.

Mike Cassidy, o diretor do projeto Loom, explica os desafios que tem pela frente, no post colocado no blog oficial da Google:

“Muitos projetos têm olhado para plataformas de alta altitude para fornecer acesso à Internet para áreas no terreno mas tentando ficar em um lugar fixo requer um sistema com maior custo e complexidade. Assim, a idéia que foi perseguida com base em libertar os balões e deixá-los navegar livremente sobre os ventos. Tudo o que tinha a fazer era descobrir como controlar o seu caminho através do céu. Nós já encontramos uma maneira de fazer isso, usando apenas a energia eólica e solar: podemos mover os balões para cima ou para baixo para pegar os ventos em que queremos que eles viagem Essa solução, em seguida, levou-nos a um novo problema: como gerenciar uma frota de balões a velejar ao redor do mundo e conseguir que cada balão se encontre exactamente na área que você quer quando precisar dele. Estamos resolvendo isso com alguns algoritmos complexos e muito poder de computação”.

A Google resolveu tornar público o projeto porque necessita de “pilotos de teste”. Todos aqueles que vivem na Nova Zelândia podem candidatar-se para serem os primeiros a testar a qualidade desta nova tecnologia da Google que pode uma vez mais revolucionar o mundo.

A Google lançou uma página onde explica o projeto Loom e onde todos os que quiserem ser “piloto de testes” vivam na Nova Zelândia se podem candidatar.


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *