Notícias

Bill Gates admite que a escolha das teclas Control-Alt-Delete foi um erro


[pub]É sempre importante ouvir a opinião de figuras históricas da tecnologia mundial. E como é óbvio de entre essas figuras Bill Gates é um nome de incontornável importância. Mas mais interessante e pouco frequente, é o facto de ver Bill Gates a olhar para trás e admitir alguns erros. O co-fundador da Microsoft Bill Gates, admitiu que forçar os utilizadores/usuários a pressionar a combinação de teclas Control-Alt-Delete para entrar num PC foi um erro.

Numa entrevista em uma campanha de angariação de fundos em Harvard , Bill Gates falou sobre alguns dos seus primeiros tempos em que estava a tentar construir a Microsoft. Mas o histórico da Microsoft abordou um tópico interessante na entrevista. O tópico discutido foi a tão controversa decisão da empresa de Redmond, em obrigar os usuários a pressionar a combinação de teclas Control-Alt-Delete para entrar num PC. Se já usou uma versão antiga do Windows 2000 ou XP, então sabe do que estamos falar, e da decisão na altura insólita da Microsoft de exigir esta combinação de teclas.

Gates explicou que a combinação de teclas foi criada para impedir que aplicativos maliciosos tentassem simular a caixa de login e roubar informações do utilizador/usuário como login e palavra pass. Mas quanto a esta decisão o co-fundador da Microsoft refere:

“Foi um erro. Nós poderíamos ter tido um único botão, mas o responsável pelo design do teclado IBM não queria autorizar que tivéssemos o nosso próprio botão”. Para todos os efeitos a popular combinação de teclas foi inventada por David Bradley, um engenheiro que trabalhou no desenvolvimento do IBM PC original. Mas o Control-Alt-Delete foi originalmente criado para reiniciar rapidamente um PC. Por essa razão, não deixa de ter sido na altura uma decisão curiosa por parte da Microsoft em usar esta combinação de teclas para outra tarefa completamente diferente (entrar num PC).

Até hoje esta combinação de teclas mantêm-se no Windows 8 mas com outros propósitos. Permite aos usuários bloquear uma máquina ou invocar o gerenciador/gestor de tarefas. Embora não seja frequente, já não é a primeira vez, em pouco espaço de tempo, que Gates admite outros erros. No início deste ano, o ex-presidente da Microsoft, admitiu que a gigante de software não abordou da melhor forma o mercado mobile quando teve a oportunidade. Na altura acrescentou:

“Nós não perdemos o mercado móvel, mas a maneira como o abordamos não nos permitiu chegar à liderança”. Posteriormente o histórico da Microsoft admitiu que a estratégia adoptada foi “claramente errada”. Apesar da palestra dada por Bill Gates à universidade de Harvard, ter ficado caracterizada por esta revelação, não deixa de ser interessante em todo o seu conteúdo e principalmente para perceber o trabalho que Bill Gates desenvolve na sua fundação como filantropo. Por essa razão pode ter acesso à entrevista completa de seguida.


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *