Redes sociais

Saiba como partilhar GIFs no Facebook. Sim, já é possível!



A partir de agora já é possível partilhar GIF no Facebook graças a Giphy.  A rede social de Zuckerberg tem resistido ao máximo às pequenas animações mas com quando as pessoas começarem a descobrir o site, é possível que a maior rede social se torne mais parecida com o Google Plus ou mesmo o Twitter.

Os GIF são um sucesso em redes como o Twitter ou o Google Plus, mas ainda não tinham chegado ao Facebook. Agora surgiu o Giphy. O site desenvolvido pela Betaworks permite a partilha de GIF no Facebook através do simples botão de partilha.

Este é o grande trunfo do site. Não é necessário grandes operações para que possamos colocar na nossa timeline um qualquer gato a brincar ou aquele terjeito de uma personalidade. Basta clicar no botão de partilha com o logotipo do Facebook. E há ainda a opção para o fazer no Twitter ou no Tumblr.

O site está fundamentalmente virado para o mercado norte-americano mas tem uma navegação fácil e eficaz, o que permite que qualquer internauta consiga dele tirar o melhor partido.

Num post colocado na página da Betaworks, Paul (presume-se que um dos responsáveis pela companhia) conta a história do Giphy, que terá começado apenas como uma brincadeira e um exercício para dois estagiários na empresa. “Quando lançámos o Giphy ele era um “hack”, uma experiência divertida para tentar resolver um problema que durava há demasiado tempo. Mas espalhou-se rapidamente, com milhões de resultados nas primeiras semanas.”

Daí que de uma “experiência divertida” se tenha tornado numa coisa séria. O Giphy  “agora é um motor de busca mas brevemente o verá transformar-se numa comunidade, que albergará artistas de GIF, entusiastas, bloggers e qualquer pessoa que queira criar o meme da moda”.

Não sabemos se a moda dos GIF vai pegar no Facebook, mas a verdade é que esta rede social vai ficar muito mais animada. Literalmente.

E este foi o primeiro GIF colocado na página do TecheNet no Facebook. Um gato, como não podia deixar de ser.

Fonte: Wired


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *