Android-under-attack Segurança

Android com 10 milhões de aplicações maliciosas



Os ataques a dispositivos móveis tem vindo a aumentar constantemente, de tal forma que a Kaspersky Lab, maior empresa de segurança endpoint do mundo, registou (registrou), em finais de Janeiro de 2014, cerca de 200.000 amostras únicas de malware, o que representa um crescimento de 34% desde Novembro de 2013. Há apenas dois meses atrás a empresa tinha detetado cerca de 148.000 programas maliciosos para dispositivos móveis. Os novos dados confirmam um aumento exponencial do interesse dos cibercriminosos em atacar os sistemas operativos móveis, nomeadamente o Android, que em Janeiro atingiu os 10 milhões de aplicações maliciosas.

O Android é o sistema operativo/operacional móvel mais utilizado no mundo e, como tal, tornou-se o alvo preferido dos piratas informáticos. A 30 de Janeiro de 2014, no Google Play existiam mais de 1,1 milhões de aplicações (número que cresce todos os dias). Além disso, existem as lojas não oficiais, o que faz aumentar mais ainda o número de apps disponíveis. A estratégia dos cibercriminosos é a de utilizar lojas com software legítimo para Android e introduzir os seus códigos maliciosos, dessa forma conseguem espalhar o malware pelos utilizadores (usuários) que descarregam as aplicações.

Na maioria dos casos, os programas maliciosos têm como propósito roubar a informação financeira do utilizador. Foi este o caso, por exemplo, da versão móvel do Carberp, um Trojan originário da Rússia. Este ficheiro malicioso rouba as credenciais do utilizador que são enviadas para o servidor do banco. De acordo com os analistas da Kaspersky Lab, a maioria destas aplicações maliciosas para Android é desenvolvida na Rússia.

Alerta_perda de dinheiro online

De acordo com a kaspersky Lab, para evitar a infecção através de aplicações (aplicativos) maliciosas os utilizadores devem seguir estes 5 passos:

  • Não activar “Opções do programador” no dispositivo
  • Não activar a opção “Instalar aplicações de terceiros”
  • Instalar apenas aplicações procedentes de lojas oficiais
  • Ao instalar novas aplicações, verificar os privilégios de acesso solicitados
  • Utilizar um software de segurança nos dispositivos móveis

São regras básicas de segurança que todos devemos seguir, isso não significa que ficamos 100% seguros, mas, pelo menos, conseguimos minimizar o risco.


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *