Ciência

1 comentário em “Supergene” disfarça borboletas

  1. Helder Paraná Do Coutto

    O texto da relação de um supergene com o mimetismo está confuso. Primeiro porque ambas as borboletas no caso são Parides, familia papilioinidae, tanto a imitadora como a imitada. A razão pela qual a Papilio politeis imita a papilio aristolochiae é por que esta última é ligeiramente venenosa, indigesta. E como existem no mesmo período e no mesmo local se confundindo ficam as politeis preservadas de um ataque mais cerrado dos seus predadores naturais. Como este recurso mimético preservativo das espécies neste caso é mais voltado à reprodução. Tenha atenção em que uma borboleta (alada) é apenas um momento na vida deste inseto, o seu momento sexual.
    Por outro lado temos que a conclusão do cientista (Kronforst) de que não há overcrossing nos supergenes é óbvia, pois só com a preservação do ,material genético em exclusivo é que uma característica tão seletiva poderia manter-se sendo direcionada segundo o interesse de sua função, neste caso a opção pelo inseto feminino, logo ligando-se ao gene que determina esta condição, nem podia ser de outra maneira. Entretanto as características miméticas nem sempre estão associadas ao gênero, posto que na maioria das vezes são uma ferramenta para a sobrevivência do individuo, e, através dele, da espécie. E como há muitas formas de mimetismo :
    imitam flores (muitas) imitam corujas (Caligos) imitam beija-flores (Esperides) etc..etc..
    Há, em muitos casos interesse no overcrossing, para que o material genético seja espalhado a todos os indivíduos da espécie, o que torna o caso da politeis uma excessão. Porém fica a descoberta do Dr. Marcus como um esclarecimento e uma comprovação do que já se sabia pela lógica dedutiva.
    atentamente,
    Helder Paraná.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *