Ciência

Google anuncia parceria na pesquisa da cura do câncer


Calico, a startup do Google voltada para a saúde e o bem-estar, acaba de anunciar uma parceria inédita com a empresa farmacêutica AbbVie em busca de novos métodos de tratamento para doenças como câncer e Alzheimer. O acordo prevê a abertura de um centro de pesquisas em São Francisco, na Califórnia (EUA), com foco principal na descoberta e aceleração de novos medicamentos.

Divulgada nesta quarta-feira (4), a aliança prevê um investimento total de US$ 500 milhões – US$ 250 milhões de cada companhia – e as empresas dividirão todas as despesas e lucros gerados.

Fundada no final de 2013, Calico será responsável por fornecer a equipe de cientistas que trabalharão no laboratório. No decorrer dos primeiros 5 anos, o alvo principal da parceria estará focado nas pesquisas científicas. A partir disso, serão mais 10 anos de desenvolvimento.

Criada no mesmo ano que sua parceira, a AbbVie é mundialmente reconhecida pela produção de drogas capazes de auxiliar no tratamento de doenças como o mal de Parkison. Portanto, neste projeto, caberá à farmacêutica supervisionar o desenvolvimento de medicamentos e a possibilidade de comercializá-los.

Google & Saúde

Não é de hoje a aposta e o investimento do Google em áreas da saúde. Já na altura do lançamento da Calico, a companhia já deixou claro que o objetivo principal desta iniciativa seria retardar cada vez mais a morte, com o auxílio das novas tecnologias, a fim de ocupar as lacunas deixadas pela medicina tradicional.

imagem.php_1

Projeto pode revolucionar o atendimento médico ocular

Recentemente, a gigante tecnológica anunciou também parceria com o laboratório Novartis para criação de uma lente de contato inteligente para auxiliar no controle da diabetes. Com o dispositivo, seria possível usar as lágrimas do utilizador para medir a quantidade de glicose no sangue.

Composta por um chip wireless, a lente possui, ainda, um sensor miniaturizado de glicose prensados entre duas camadas de material gelatinoso. Segundo os seus criadores, o dispositivo deverá ser equipado também com um LED capaz de emitir sinais sempre que haja alterações no nível de glicose do paciente.

 

Via The Verge


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *