Hush reduz o consumo da bateria Mobile

Hush: nova ferramenta diminui a fome de bateria das apps em segundo plano no Android


Investigadores norte-americanos criaram uma ferramenta para Android que diminui o consumo de energia das apps que correm em segundo plano no Android. Hush, assim se chama a ferramenta, é capaz de aumentar a durabilidade da bateria dos smartphones que correm neste sistema em qualquer coisa como 15 por cento, de acordo com os primeiros testes.

As apps que regularmente procuram actualizações consomem cerca de 30 por cento da bateria dos smartphones. A nova ferramenta gratuita impede que as apps menos utilizadas procurem actualizações quando o dispositivo está em descanso, permitindo assim cortar em cerca de metade a perda de bateria causada pelo funcionamento das apps em segundo plano.

A análise feita pelos cientistas da Universidade de Purdue, no Estado norte-americano do Indiana, revela que, em 2.000 smartphones inspecionados, é assustadora a perda de energia resultante de apps mal construídas que não permitem que o aparelho regresse ao modo de suspensão depois de procurarem por actualizações.

Estas apps “não estão da deixar o smartphone voltar a dormir por causa de erros de software e, especificamente, devido ao uso incorreto de interfaces de programação do aplicativo de controle de energia chamado Android wakelocks”, afirma Y Charlie Hu, o professor responsável pela pesquisa.

De acordo com os dados já recolhidos, a ferramenta criada na universidade norte-americana permite que a bateria dure mais cerca de 15 por cento. O Hush está agora a ser melhorado para analisar e corrigir outros erros que diminuam a autonomia dos aparelhos. Para a equipa responsável pela ferramenta “grande parte do consumo de bateria é causado por vários aplicativos quando a tela está ligada e também funções de manutenção legítimas”, mas há muitos erros que podem ser corrigidos. O objectivo final desta equipa de cientistas é a de aumentar em 50 por cento a longevidade das baterias nos smartphones Android.

Fonte: Purdue University via BBC


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *