yahama, motobot, robot humanoide Tecnologia

Yahama: Robot humanoide já ultrapassa os 100 km/h em cima de mota


A Yamaha está a fazer furor no Tokio Motor Show com o Motobot, o primeiro robot humanoide a ser capaz de conduzir uma moto não modificada. O robot já consegue ultrapassar os 100 quilómetros em pista, mas a sua meta é ir além dos 200 quilómetros hora.

O objectivo do fabricante japonês é de conseguir criar um robot que consiga conduzir mais depressa do que um humano, mas o projecto tem como meta final a criação de condições para uma condução mais segura, mesmo a alta velocidade. As imagens do Motobot a pilotar uma Yahama são impressionantes, principalmente porque a mota não foi modificada, sendo o robot obrigado a fazer todas as mesmas operações que um humano: acelerar, travar e pôr as mudanças. Um elemento da equipa citado pelo Ubergizmo lembra que “controlar os movimentos complexos de uma moto de alta velocidade exige uma grande variedade nos sistemas de controle e estes devem operar de forma muito precisa”.

A única modificação sofrida pela Yahama conduzida pelo robot é a existência de duas rodas estabillizadoras para evitar uma queda se alguma coisa correr mal durante a condução.

“Só quando vir um porco a andar de bicicleta” é uma frase que costumamos empregar quando não acreditamos que algo se realize. Depois do ver o vídeo do Motobot a conduzir a Yahama posso dizer que é só mesmo isso que falta, até porque quando era miúdo vi mesmo um urso a conduzir uma motorizada pelas ruas de Lisboa, devidamente escoltado pela polícia.

Para tornar o vídeo ainda mais apelativo, a Yahama juntou uma pitada de humor ao muito que o robot já faz. No vídeo ouve-se a voz do robot humanoide a dizer: “melhoro todos os dias, mas não tenho a certeza de conduzir bater Valentino Rossi quando ele tinha cinco anos”. Mas, apesar da modéstia em relação ao campeão italiano, Motobot não deixa dúvidas quanto à sua ambição: “Não sou humano mas deve haver algo que apenas eu serei capaz de fazer”

“Sou Motobot e fui criado para vos ultrapassar”.

Fonte: Ubergizmo


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *