Os Razzies do malware: As piores ameaças do ano

Os Razzies do malware: As piores ameaças do ano

Os Razzies do malware: As piores ameaças do ano

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas distingue todos os anos, em Hollywood, alguns dos melhores atores, realizadores e filmes com os mais importantes prémios do cinema – os Óscares. Enquanto estes prémios são muito disputados por todos os elementos da industria cinematográfica, os Razzies que destacam os piores filmes do ano, representam tudo aquilo que ninguém espera ganhar.

À semelhança do que acontece com os prémios para os piores filmes do cinema, existem também no mundo da tecnologia, ameaças que pelas suas caraterísticas podem ser consideradas como as piores de sempre. A ESET, empresa especialista em soluções de segurança, divulga a sua própria lista de Razzies em diversas categorias atribuídas ao mundo do malware.

Categoria de efeitos visuais

A família de malware BlackEnergy merece esta distinção uma vez que os resultados da sua atividade maliciosa foram observados por toda a Ucrânia na penúltima semana de 2015, onde milhares de lares sofreram falhas elétricas.

O funcionamento era simples: um colaborador de uma companhia elétrica recebia um email com um documento malicioso em anexo que continha texto e tentava convencer a vítima a executar uma macro no seu interior. Se as vítimas se deixassem influenciar ficavam infetadas com o BlackEnergy Lite.

Uma vez ativadas, as variantes do BlackEnergy Lite permitiam ao operador do malware utilizar determinados critérios específicos para avaliar se o computador pertencia realmente ao alvo pretendido. Se esse fosse o caso, era instalada uma variante completa do BlackEnergy no sistema.

Categoria de disfarces

Os porn clickers, também conhecidos como Android/Clicker e descobertos recentemente pela ESET, merecem este prémio pela capacidade destas ameaças fazerem passar por jogos e outras aplicações, estando disponíveis para download na loja Google Play. Quando instalados, estes porn clickers geram cliques falsos em determinados anúncios de modo a aumentar a receita para os seus operadores, roubando anunciantes e prejudicando as plataformas de publicidade.

Estas ameaças geram grandes quantidades de tráfego, o que pode ter um impacto negativo nos planos de dados.

Categoria de Pior Argumento

O Trojan Corkow merece o prémio de pior argumento por apenas ter funcionado durante 14 minutos.

Apesar da curta duração e de ter causado perdas marginais às vítimas, este foi um ataque notável contra uma plataforma de trocas, tendo conseguido com sucesso executar operações financeiras em valores superiores a 200 milhões de dólares (compras e vendas). Quando o ataque chegou ao fim, o malware recebeu um comando para se autodestruir do sistema infetado e remover todas as indicações das suas atividades.

Categoria de Pior Enredo

O malware Win32/Spy.Odlanor destacou-se pelo seu modo de funcionamento muito específico e ficou também conhecido como Poker Cheater.

Apesar de um enredo que parecia convincente, as suas atividades maliciosas atacavam apenas dois populares sites de póquer: Full Tilt Poker e PokerStars.

Primeiro, o malware entrava nos computadores das vítimas juntamente com outras aplicações ou fazendo-se passar por bases de dados de jogadores de póquer. Logo a seguir, capturava fotos das janelas dos jogadores e enviava-as para o computador remoto do atacante. Isto permitia ao autor do malware ver as cartas do rival, mas também ficar a conhecer a identificação real do jogador.

Artigo anteriorPróximo artigo
é um dos fundadores do TecheNet, juntamente com Jorge Montez.. O design é uma das suas paixões, tendo criado o estúdio Parapluie que desenvolve trabalhos de webdesign e design gráfico para os mercados brasileiro e português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *