ameaça financeira online Segurança

Quase metade dos internautas foi alvo de cibercriminosos


Um novo estudo sobre ameaças online revela que cerca de 48 por cento dos internautas foi alvo de esquemas maliciosos para extorsão de dinheiro. O phishing foi a ameaça mais sentida e o valor médio dos prejuízos por pessoa foi de 246 euros.

De acordo com um estudo elaborado pela Kaspersky Lab em conjunto com a B2B International,  cerca de metade dos internautas sofreu ameaças financeiras em algum momento durante os doze meses em que decorreu esta análise. Entre todos os inquiridos, 22% dos utilizadores afirmaram ter recebido emails suspeitos aparentemente enviados pelo seu banco ou por uma loja ou empresa online (15%), enquanto 11% receberam solicitações de dados financeiros de páginas web de conteúdo duvidoso.

Entre todas as ameaças financeiras sofridas, 6% dos inquiridos acabaram mesmo por perder dinheiro devido a estes esquemas e fraudes online, 5% foram vítimas de fuga e perda de dados através de uma entidade financeira e 3% foram alvo de roubo de dinheiro eletrónico, como Bitcoins.

Globalmente, 11% dos utilizadores inquiridos asseguram ter perdido dinheiro em resultado destas ações criminosas.

O estudo conclui que as vítimas sofreram uma perda média estimada em 246 euros. Cerca de um quarto dos utilizadores (23%) não conseguiu recuperar o seu dinheiro, sendo que 54% tiveram melhor sorte.

Alfonso Ramírez, diretor geral da Kaspersky Lab Iberia, afirma que “a variedade das ameaças financeiras contra os consumidores online está a crescer a olhos vistos. Além dos esquemas mais tradicionais, vemos que os criminosos estão a procurar novas formas de defraudar os internautas.

Por isso, é necessário que os utilizadores se mantenham em alerta sempre que realizam operações online ou acedam a links suspeitos. A Kaspersky Lab insiste sempre para que os utilizadores recorram a soluções de segurança robustas para se manterem protegidos destas ameaças e afastados do risco de perdas financeiras”.

E acrescenta: “embora a perda de dinheiro em consequência de uma falha de segurança de uma entidade financeira ou de uma burla envolvendo dinheiro virtual ainda seja relativamente baixa, para os cibercriminosos é um negócio muito rentável e, por isso, em expansão. Trabalhamos diariamente com bancos e instituições financeiras para assegurar que têm uma proteção adequada, não só para prevenir as possíveis perdas, como também para manter a sua reputação e a confiança do cliente. Com o novo panorama das ameaças online, os consumidores esperam que os seus bancos e instituições financeiras mantenham o seu dinheiro a salvo”.

Este inquérito foi realizado online pela B2B International em 2015, tendo sido entrevistados um total de 12.355 pessoas a partir dos 16 anos em 26 países.