há vida no espaço Ciência

Cientistas identificam 20 planetas com capacidade para suportar vida


Há mais de 4 mil planetas identificados fora do Sistema Solar, mas quantos poderão albergar vida? Um estudo desenvolvido por uma equipa internacional de cientistas chegou a uma conclusão: apenas 20 terão condições para suportar vida tal como a conhecemos.

O estudo chefiado pelo astrónomo da San Francisco State University estudou mais de 4.000 exoplanetas (aqueles que estão fora do Sistema Solar) à procura daqueles que possam albergar vida. É claro que partiu de pressupostos muito limitados, uma vez que até ao momento apenas existe um planeta com essas caraterísticas para servir de base ao estudo: a Terra.

Além do mais, os cientistas também apenas podiam ter como parâmetro-base a vida tal como a conhecemos. Ou seja, que é necessária água em estado líquido para que a vida tenha hipóteses de florescer.

Assim, a equipa liderada Stephen R. Kane pôs-se à procura de uma agulha num palheiro, procurando identificar planetas que estivessem a uma distância da estrela em torno da qual orbitam que lhes permita terem água em estado líquido. Nem tão perto do seu “sol” que a água evapore, nem demasiado longe que a torne em gelo.

Numa primeira etapa, os cientistas diminuíram a lista a 216 planetas dentro da chamada “zona habitável” de cada um dos sistemas solares, tendo aqui já a preocupação de incluir parâmetros como a dimensão e composição dos planetas.

Após chegar a esta lista de exoplanetas, a equipa de cientistas avançou para uma lista de apenas 20 planetas. Estes, encontram-se numa mais conservadora “zona habitável”, são pequenos e rochosos.

“Temos disponíveis recursos muito limitados para estudar as atmosferas de planetas terrestres e por isso a zona habitável é usada para selecionar os planetas onde é mais provável haver água líquida na superfície,” Kane explicou em uma entrevista. “Isso vai tornar-se cada vez mais importante à medida que novas instalações, tais como o Telescópio Espacial James Webb, são implantadas.”

Via TechCrunch


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *