PaRappa The Rapper chega hoje à PlayStation 4 Jogos, Press Release

PaRappa The Rapper chega hoje à PlayStation 4


O famoso cão rapper de PaRappa The Rapper é um dos mais adorados ícones dos videojogos e chega hoje, dia 4, à PlayStation 4 com os seus companheiros Chop Chop Master Onion, Prince Fleaswallow, Sunny Funny, entre outros. O título que chegou, em 1997, à PlayStation, apresenta-se agora com melhores gráficos, muita música, desafios e uma arte cativante que se une num novo género para diferentes jogadores.

PaRappa The Rapper foi criado por duas pessoas que nunca tinham feito videojogos, o músico Masaya Matsuura e o artista Rodney Greenblat. Os artistas, que agora falam sobre o título, juntaram o estúdio de Matsuura’s Tokyo, com o Greenblat’s, em Nova York.

Da música pop para o desenvolvimento de jogos

Greenblat recordou o momento em que conheceu Matsuura. “Ele era uma estrela pop naquela altura e todo o escritório dele e o estatuto dele como a Sony era impressionante”.

Matsuura nunca tinha feito videojogos, mas já usava computadores para criar música desde o início da sua carreira, de Roland MC-8 a Apple II. Em 1983 fundou uma banda, Psy-S, que no final dos anos 80 começaram a lançar maiores êxitos, mas Matsuura ficou frustrado com o software de música normal.

Decidiu então criar um software de computador, experimentou novas tecnologias de comunicação interativas, como CD-I e CD-ROM, e em meados dos anos 90 saiu da banda para fundar o estúdio NanaOn-Sha.

De adorável ilustrador para criador de jogos

Matsuura e Rodney Greenblat conheceram-se na MacWorld Expo, no início dos anos 90, mas quando Matsuura soube que Greenblat queria criar um jogo para a PlayStation®, pediu para reunir novamente. “Eu adorava o seu trabalho”, conta Matsuura.

Rodney Greenblat era um ilustrador de sucesso que estava a escrever livros para crianças, a fazer CD-ROMs interativos para elas e a desenhar personagens para a Sony Creative – uma divisão que produzia estacionário, brinquedos e acessórios.

“A Sony Creative tinha que criar um fluido constante de novos produtos para satisfazer as raparigas japonesas que adoravam comprar itens engraçados”, contou Greenblat. Fez várias viagens a Tóquio, onde mostrava as personagens que criou, como Sunny Funny, Katy Kat e PJ Berri.

Desenvolvendo o jogo de ação de ritmo

Matsuura pensou no rap para o seu primeiro jogo devido à sua atração imediata. “Como um músico de computador dos anos 80, eu sabia que o sampling de voz humana era a técnica mais engraçada”, embora nunca tenha gostado dos resultados dos seus samplings. Mas durante o jogo, notou que a voz poderia trazer algo mais. “Tem a capacidade de fazer com que os ouvintes riam e sorriam. É algo pelo qual nunca passei”.

No entanto, criar um jogo a partir da música constituiu um novo desafio. Matsuura começou a associar diferentes botões do comando a diferentes mundos, e depois começou a jogar com o paradiddle, que é o nome de um padrão de percussão que alterna entre as duas mãos.

Descobriu que segmentar a música em oito notas oferecia várias permutações possíveis entre esquerda e direita, como “RLRL RLRL”, “RRLL RRLL”, e “RLRR LRLL”, além de perceber que se tratava de uma forma divertida de jogar. “Este tipo de mecanismo é uma base óbvia para o método input do jogo”.

Escrever as músicas

Sendo um jogo sobre rap, Matsuura sabia que a letra seria importante. “Tudo o que acontece nas letras ou durante as músicas parece uma narrativa”, disse. Por isso, as músicas assumiram um papel central na história do jogo, ao mesmo tempo que explicam aos jogadores como jogar, oferecendo-lhes um desafio cuja dificuldade aumenta de forma gradual.

Matsuura estava satisfeito com a forma como a primeira etapa, Chop Chop Master Onion’s dojo rap (“Kick! Punch! It’s all in the mind”), resolveu isto. “Uma das ideias mais importantes foi a de ter no game setting uma metáfora de um jogo tradicional célebre, como lutar”, disse. “Isto ajudou os jogadores ter a sensação ‘eu conheço isto’”.

De forma semelhante, a segunda fase do Instructor Mooselini (“Step on the gas! (Step on the gas?), Step on the brakes! (Step on the breaks?)”) usa um jogo tradicional de condução como metáfora. Mas para a terceira fase, Prince Fleaswallow’s rap (“In the rain or in the snow, got the got the funky flow”), não conseguiram pensar em outra metáfora que fosse familiar. Porém, Matsuura, ao sentir que as duas primeiras músicas não eram rap o suficiente, viu uma oportunidade para desenvolver um elemento de rap.

Na quarta fase, Cheap Cheap The Cooking Chicken’s rap (“Crack crack crack the egg into the bowl, M.I.X the flour into the bowl”), é acrescentado pela primeira vez um ritmo sincopado.

Como foi criada a arte de PaRappa

Como foi criada a arte de PaRappaEntretanto, Greenblat estava a criar a arte de PaRappa, desenvolvendo todos os personagens e dando-lhes nomes – com exceção do PaRappa, cujo nome foi uma ideia de Matsuura.

Greenblat enviou o trabalho de arte para o Japão por fax, assinalando na imagem a preto e branco os números Pantone para indicar quais as cores que desejava. O estilo gráfico de PaRappa de personagens em 2D num mundo 3D foi também uma responsabilidade de Greenblat.

“Matsuura e a sua equipa adoraram a aparência bidimensional das personagens”, disse. “Fizeram um teste com um dos meus Dazzeloids como se fosse um boneco de papel recortado, a mover-se de um lado para o outro. Todos gostámos e decidimos fazer o PaRappa dessa maneira”.

Embora estivesse habituado a ver os seus personagens animados e interativos, ver o PaRappa em movimento foi algo completamente diferente. “Foi fantástico ver como o 3D trazia tanta vida. A música ajudou ainda mais os personagens. A música do Matsuura é mágica. Fez com que os personagens ganhassem vida de uma forma impressionante”.

O que aconteceu depois

Nem Matsuura nem Greenblat adivinhavam o sucesso que PaRappa conseguiu. O êxito juntou-os novamente para criar UnJammer Lammy, o título sobre um guitarrista de rock, e uma sequela de PaRappa para a PS2. Matsuura ainda criou Vib-Ribbon, Mojib-Ribbon e outros jogos de música durante a sua carreira.

PaRappa desbravou caminho para jogos como Guitar Hero e SingStar.

PaRappa The Rapper chega hoje, dia 4 de abril, à PS4.

*Via comunicado de imprensa da Sony Interactive Entertainment Europe


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *