100 anos de Animação, Parte 1: Um Século de Emoções Infinitas Arte e Cultura

100 anos de Animação, Parte 1: Um Século de Emoções Infinitas


Este ano comemora-se os 100 anos da animação brasileira e os 25 anos do Anima Mundi e, para tal, seguiremos com alguns artigos sobre animações nas próximas semanas.

Particularmente, sou apaixonado por animações (assisti mais de 100 longas de animação). Muitos deles, tem a facilidade de nos emocionar enormemente. Tentei selecionar 10 melhores longas de animação e foi arduamente impossível. Resolvi então escolher os 10 melhores na antiga forma tradicional/manual de se criar desenhos e os 10 melhores entre animações computadorizadas e Stop Motion (técnica de animação fotografada quadro à quadro).

10*) “A Bela Adormecida” (Dir: Wolfgang Reitherman & Clide geronimi / EUA – 1959), Estúdios Disney.

A rainha má da vez, atende pelo nome de Malévola, que lança um feitiço contra a princesa Aurora, que deverá morrer ao completar 16 anos. Três fadas madrinhas (Fauna, Flora e Primavera) cuidarão da princesa, para que o pior não aconteça. Com trilha de Tchaikovsky, o filme revela-se um clássico do bom gosto.

9*) “Anastasia” (Dir: Don Bluth & Gary Goldman / EUA – 1997), Estúdios FOX

Após o desaparecimento da Princesa Anastasia, sua avó, a grã-duquesa imperial da Rússia, lança uma recompensa para quem encontrar a princesa desaparecida. Belas imagens, em espacial a deslumbrante cena do baile. Indicado ao Oscar de melhor canção: “Journey To The Past”.

8*) “As Bicicletas de Belleville” (Dir: Sylvain Chomet / França/Bélgica – 2004)

Um ciclista é sequestrado durante uma competição, na França. Sua avó, em companhia de um cachorro, parte em busca de resgatá-lo nas terras de Belleville. Indicado ao Oscar de melhor longa de animação e melhor canção: “Belleville Rendez-Vous”.

7*) “A Viagem de Chihiro” (Dir: Hayao Miyazaki / Japão – 2001)

Furiosa ao descobrir que terá que se mudar, Chihiro, uma garota de 10 anos, parte por uma jornada num mundo de seres fantásticos. A plasticidade ímpar de Miyazaki, impressiona pela criatividade. Único longa de animação a ganhar o Urso de ouro de melhor filme no festival de Berlin. Venceu também o Oscar de animação.

6*) “Uma Cilada Para Roger Rabbit” (Dir: Robert Zemeckis / EUA – 1988), Estúdios Disney

Um assassinato acontece no mundo dos desenhos e um detetive humano é contratado para investigar. O coelho Roger e sua mulher Jessica acabam sendo perseguidos. Num ritmo alucinante, Zemeckis mistura desenho e ator em carne e osso com maestria. Vencedor de 3 Oscars: Melhor montagem, Edição e Efeitos Visuais.

5*) “Fantasia” (Dir: Ben Sharpsteen, James Algar, Samuel Armstrong, Ford Beebe & Norman Ferguson / EUA – 1940)

O mais arrojado filme dos estúdios Disney. Animação totalmente criada a partir de músicas clássicas de Tchaikovsky, Stravinsky, Bach, Beethoven, entre outros. Pura arte, para os olhos, ouvidos e alma.

4*) “Branca de Neve & Os 7 Anões” (Dir: David Hand / EUA – 1938), Estúdios Disney

Quando a rainha ouve do espelho que Branca de Neve é a mais linda do reino, manda-a matar. Na fuga, Branca de Neve refugia-se numa casa com 7 anões de temperamentos distintos. Disfarçada de velha bondosa, a rainha má convence Branca de Neve a comer uma maçã envenenada. Tudo culpa do espelho tagarela. Primeiro longa de animação da história. Walt Disney ganhou um Oscar especial por esse filme – um Oscar em tamanho normal e outros 7 em miniatura. Encanta gerações e gerações.

3*) “O Príncipe do Egito” (Dir: Steve Hickner, Simon Wells & Brenda Chapman / EUA – 1998), Estúdios DreamWorks

Muito antes da Record TV se aventurar a fazer novelas bíblicas, o estúdio de Steven Spielberg lançou-se na animação com este longa sobre Moisés, um escravo judeu, criado como príncipe egípcio que abandona seu status para salvar o povo hebreu da escravidão. Indicado ao Oscar como melhor trilha sonora (Hans Zimmer), venceu como melhor canção “When You Believe” (Whitney Huston & Mariah Carey).

2*) “Aladdin” (Dir: John Musker & Ron Clements / EUA – 1992), Estúdios Disney

O simplório “ladrão de galinhas”, Aladdin, encontra um Gênio da lâmpada que concede-lhe 3 pedidos. A partir de então, muita correria e aventura acontece num frenesi sem fim. Robin Williams elevou o nível da dublagem, fazendo do seu Gênio da Lâmpada, um ícone de atuação vocal sem parâmetros. Vencedor do Oscar de melhor trilha sonora (Alan Menken) e canção: “A Whole New World”.

1*) “O Rei Leão” (Dir: Roger Allers & Rob Minkoff / 1994)

Numa família de leões, o jovem leão Simba, herdeiro do Rei da Selva, Mufasa, terá que enfrentar as tiranias do seu tio Oscar. Com nuances Shakespereanas, essa animação provoca o riso e o choro, em perfeito equilíbrio, embalados por canções inesquecíveis. Oscar de melhor Trilha Sonora (Hans Zimmer) e Melhor Canção: “Can You Fell The Love Tonight” (Elton John).

Outras sugestões de leitura:

Astérix e “O Papiro de César” – E se Assange se aliar aos gauleses?

Cine PE: O Festival da Resistência

Amor e Paixão: Sentimentos e Hormônios Mesclados em Profusão

Quando Paris Alucina: Lúdica Homenagem aos Primórdios do Cinema


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *