O Castelo de Vidro: Força e Fragilidade numa Família Desestruturada Arte e Cultura

O Castelo de Vidro: Força e Fragilidade numa Família Desestruturada


A nossa nota
Pensamentos finais

Castelo de Vidro é um filme que desnuda a fragilidade de intempestivas relações familiares – frágeis como o vidro – em contraponto com a força do amor que os une, algo como o alicerce de um castelo

Classificação 4

Poucas vezes se viu um filme tão fiel ao livro como esse em questão. Baseado no livro de memórias – O Castelo de Vidro – da jornalista Jeanette Walls, sobre sua infância pobre e sem perspectivas. Uma existência nômade, sob o comando de pais em constante desequilíbrio.

A história é contada sob o olhar maduro de Jeanette que, desde criança, aprendeu – junto com seus três irmãos – a enfrentar a áspera realidade da fome, sem deixar-se dominar pela desesperança.

A ganhadora do Oscar Brie Larson (“O Quarto de Jack”), defende sua personagem, Jeanette Walls, com competência e talento admiráveis. Sua interpretação é contida nos momentos certos, sem perder a força do olhar.

Naomi Watts interpreta uma mãe com alma de artista, que camufla sua precária realidade, ausentando-se das obrigações maternas, buscando refúgio na pintura de suas telas. Não convence muito como mãe de Brie Larson, mas compensa nas cenas de brigas com o marido, interpretado com extrema sensibilidade por Woody Harrelson.

O grande personagem do filme é sem dúvida, Rex, o pai sonhador, inteligente, irresponsável, sem raízes, de ótimo coração, que não sustenta seus filhos e acomoda-se na miséria da mesmice. Sonha em construir uma casa de vidro – o tal castelo do título – num projeto ambicioso que jamais sairá do papel. Woody Harrelson transmite toda a gama necessária de emoções e intenções numa atuação digna de estar de volta às premiações anuais.

A direção de Destin Daniel Cretton dá espaço para a história ser contada através das atuações e não por arroubos tecnológicos. Demonstra segurança e sensibilidade ao conduzir um elenco infantil de ótima qualidade.

Um filme que desnuda a fragilidade de intempestivas relações familiares – frágeis como o vidro – em contraponto com a força do amor que os une, algo como o alicerce de um castelo. O Castelo de Vidro.

O Castelo de Vidro (The Glass Castle, Estados Unidos, 2017)

Nota: 8
Direção: Destin Daniel Cretton
Elenco: Brie Larson, Woody Harrelson, Naomi Watts

Sugestões de leitura:

The Deuce, de David Simon e George Pelecanos

Clássicos ao domingo: Os Homens Preferem as Loiras

Dunkirk: Mais do que Cinema, Uma Experiência Sensorial


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *