Notícias

Mark Shuttleworth acha que a Apple usou a ideia de convergência do Ubuntu Edge no iPhone 5S



O fundador da Canonical Mark Shuttleworth, fez uma declaração interessante onde relaciona o conceito do super smartphone Ubuntu Edge com o novo iPhone 5S.

Há uns meses atrás, a Canonical através do rosto do seu fundador – Mark Shuttleworth – tentou angariar fundos por “crowdfunding” para produção de unidades limitadas de um smartphone. Mas o Ubuntu Edge não era um smartphone qualquer, mas sim, segundo o carismático sul-africano, o “Fórmula 1” dos dispositivos móveis. Como sabemos, apesar da ideia ser extraordinária e de facto ter o potencial de criar inovação numa área que começa a caminhar para estagnação, não obteve os fundos necessários. Mas mesmo assim na altura a ideia da Canonical serviu como base para outros competidores no espaço móvel observarem atentamente este processo.

De facto, Shuttleworth acha que a Apple se inspirou no conceito de convergência de plataformas, protagonizado pelo Ubuntu Edge no anúncio do novo iPhone 5s. A ideia de convergência consistia em integrar num smartphone todas as necessidades computacionais de um utilizador/usuário. Isto significava que além de ter no seu bolso um smartphone, tinha também o seu computador desktop e o seu tablet. Conforme o smartphone (neste caso o Ubuntu Edge) fosse ligado a um monitor (e a um acessório) transformava este num computador desktop com o Ubuntu.

Numa entrevista para a ZDNet o fundador da Canonical afirmou:

“Eu acho que ele [ Ubuntu Edge ] pode ter acelerado a idéia de convergência. Você viu a descrição da Apple relativamente ao seu novo CPU móvel como pertencente à ‘classe desktop’ e eu não acho que esta referência seja acidental “, .

É difícil de dizer se o fundador da Canonical tem alguma informação privilegiada que não seja de domínio público. De qualquer forma não deixamos de notar que é uma especulação interessante vindo de alguém que normalmente não tem o hábito em estabelecer paralelismos gratuitos. Só o futuro nos pode dizer se Shuttleworth tinha razão ou não.


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *