Perda de dados e tempo de inactividade custa às empresas $1.7 Biliões Notícias

Perda de dados e tempo de inactividade custa às empresas $1.7 Biliões



Um novo estudo de protecção de dados global, anunciado pela EMC Corporation, revela que os custos com a perda de dados e tempo de inactividade nas empresas ultrapassaram os 1.7 Biliões de dólares (1,7 bilhões/1,7 mil milhões) nos últimos doze meses, ou o equivalente a quase 50% do PIB da Alemanha. A perda de dados é de até 400% desde 2012, enquanto, surpreendentemente, 71% das organizações ainda não estão totalmente confiantes na sua capacidade de recuperação após uma interrupção.

O EMC Global Data Protection Index, realizado pela Vanson Bourne, entrevistou 3.300 IT decision makers de PME e grandes empresas em 24 países.

Impacto da perda de dados e tempo de inactividade

A boa notícia é que o número de incidentes relacionados com perda de dados está a diminuir em geral. No entanto, o volume de perda de dados durante um incidente está a crescer exponencialmente:

  • 64% das empresas inquiridas já passou por uma situação de perda de dados ou de tempo de inactividade nos últimos 12 meses
  • A maioria das empresas já experimentou mais de três dias de trabalho (25 horas) de downtime inesperados nos últimos 12 meses
  • Outra das consequências comerciais na interrupção são as perdas de receita (36%) e os atrasos no desenvolvimento de produto (34%)

 

Os novos Desafios na Protecção de Dados

Tendências empresariais, tais como big data, mobilidade e cloud híbrida criam novos desafios para a protecção de dados:

  • 51% das empresas não têm um plano de disaster recovery para nenhum destes ambientes e apenas 6% têm um plano comum a todos
  • Na verdade, 62% consideram big data, mobilidade e cloud híbrida como “difícil” de proteger
  • Com 30% de todos os dados primários localizados em alguma forma de armazenamento na cloud, isso poderia resultar numa perda substancial desses dados

 

O Paradoxo da Protecção

A adopção de tecnologias avançadas de protecção de dados diminui drasticamente a probabilidade de interrupção. E, muitas empresas recorrem a vários fornecedores de TI para resolver os seus desafios de protecção de dados. No entanto, uma abordagem baseada em silos na implementação recorrendo a vários fornecedores pode aumentar os riscos:

  • As empresas que não tenham implementado uma estratégia de disponibilidade contínua são duas vezes mais propensas a sofrer perda de dados do que as que têm.
  • As empresas que utilizam três ou mais fornecedores para fornecer soluções de protecção de dados perdem três vezes mais dados do que aquelas que unificam a sua estratégia de protecção de dados em torno de um único fornecedor
  • As empresas com três fornecedores provavelmente gastaram uma média de $3 milhões a mais na sua infra-estrutura de protecção de dados em comparação com as que trabalham com apenas um fornecedor

 

A Matriz de Maturidade

Os participantes no estudo EMC Data Protection receberam uma pontuação baseada nas suas respostas, colocando por ordem a sua maturidade no que diz respeito à protecção de dados numa de quatro categorias (ver metodologia para mais detalhes):

  • A grande maioria – 87% – das empresas classifica-se nas duas últimas categorias de maturidade na protecção de dados
  • Globalmente 13% estão à frente da curva do ranking, com 11% classificadas como “adopters” e 2% consideradas “Leaders”
  • A China tem o maior número de empresas à frente da curva (30%) e os Emirados Árabes Unidos o menor (0%)
  • Empresas grandes com mais de 5.000 colaboradores tinham duas vezes mais probabilidades (24%) para estar à frente da curva do que as pequenas empresas de 250-449 colaboradores (12%); as empresas nos EUA e Holanda foram as maiores vanguardistas fora da Ásia-Pacífico e Japão (a 20% e 21%, respectivamente)

Guy Churchward, President, EMC Core Technologies, afirma o seguinte: “Este estudo destaca o enorme impacto monetário e de tempo de inactividade não planeado e perda de dados para as empresas em todo o mundo. Com 62% dos IT decision makers entrevistados a sentirem-se desafiados a proteger a cloud híbrida, o big data e a mobilidade, é compreensível que quase todos eles desconfiem  que a protecção de dados seja capaz de enfrentar os desafios de negócios futuros. Esperamos que o índice global de protecção de dados faça com que os líderes de TI façam uma pausa e reavaliem se as suas soluções actuais de protecção de dados estão alinhadas com os requisitos de negócios de hoje, bem como com os seus objectivos a longo prazo.” 

METODOLOGIA

Estudo realizado de forma independente pela Vanson Bourne entre Agosto e Setembro de 2014. Os entrevistados foram os IT decision makers dentro das organizações que empregam mais de 250 pessoas. Houve um total de 3.300 entrevistados em 24 países. 200 entrevistados nos EUA, Reino Unido, França e Alemanha e 125 respondentes no Canadá, México, Brasil, Rússia, África do Sul, Turquia, Emirados Árabes, Itália, Suíça, Holanda, Austrália, Japão, China, Coreia, Índia, Singapura, Hong Kong, Filipinas, Tailândia e Indonésia.

Para criar a curva de maturidade, os IT decision makers responderam a perguntas específicas relativas à sua experiência de backup e recuperação, estratégia e infra-estrutura. Cada secção foi marcada fora dos 64 para dar uma classificação geral de maturidade. Esta pontuação foi então multiplicada por um factor de escala para normalizar a curva e dar uma pontuação total de 100 pontos. Uma vez classificados, estes IT decision makers foram divididos em quatro segmentos desde a pontuação mais baixa para a mais alta; Laggards (classificação 1-25), os Evaluators (classificação 26-50), os Adopters (classificação 51-75) e os Leaders (classificação 76-100).

 


Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *