Novas formas de pagamento são cada vez mais utilizadas pelos portugueses

Novas formas de pagamento são cada vez mais utilizadas pelos portugueses

De acordo com o estudo de Literacia Financeira do Cetelem, as novas formas de pagamento são usadas por cada vez mais portugueses, sobretudo jovens adultos. As caixas self-service nos estabelecimentos comerciais são o serviço que reúne mais adeptos entre os consumidores nacionais (55%), seguindo-se os pagamentos por telemóvel (33%), que sobem de quarta para segunda posição.

Publicidade
Loading...

Novas formas de pagamento são cada vez mais utilizadas pelos portuguesesEntre as novas formas de pagamento mais utilizadas pelos portugueses surgem também o Paypal (23%), o MB Net (22%) e o Cartão Contactless (17%). O MB Way (14%) é a nova forma de pagamento menos utilizada e sobre a qual existe maior desconhecimento entre os consumidores (48% nunca ouviram falar). Ainda assim, à semelhança dos outros serviços, regista um aumento de utilização em relação a 2016.

Os indivíduos entre os 25 e os 34 anos são os maiores utilizadores de todas as novas formas de pagamento. Seguem-se os jovens entre os 18 e os 25 anos, no caso da utilização dos pagamentos por telemóvel, do Cartão Contactless e do MB Way, enquanto os indivíduos entre os 35 e os 44 anos são os segundos maiores utilizadores no caso das caixas self-service, Paypal e MB Net. A geração dos 55 aos 65 anos é a que menos utiliza novas formas de pagamento.

«Os portugueses demonstram curiosidade em relação a novas formas de pagamento e reconhecem as facilidades que estas proporcionam no dia-a-dia. Nos últimos dois anos verificámos que o número de utilizadores aumenta em todos os novos serviços e é espectável que esta tendência se mantenha nos próximos anos», comenta Leonor Santos, diretora de Compliance e Jurídico do Cetelem.

Este estudo foi desenvolvido em colaboração com a Nielsen, tendo sido realizadas 500 entrevistas por telefone, a indivíduos de Portugal continental e ilhas, de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 18 e os 65 anos, entre os dias 13 e 18 de fevereiro de 2017. O erro máximo é de +4.4 para um intervalo de confiança de 95%.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.