Eaton produz painel Xiria sem SF6 número 100.000

Eaton alerta para a necessidade de implementação de soluções de proteção para minimizar riscos incêndios

A Eaton anunciou a produção do painel Eaton Xiria número 100.000, um importante marco na história deste dispositivo de comutação de média voltagem sem SF6, que é atualmente utilizado por clientes em mais de 30 países.

A Eaton fornece, há já muitos anos, equipamentos de comutação de média voltagem 100% isentos de gás SF6. Apesar de o SF6 ser um bom isolador, é também o pior de todos os gases para o aquecimento global – 26.000 vezes pior que o CO2. É por esta razão que a sua utilização está praticamente proibida na Europa. O design da Eaton altera-se em vácuo e recorre ao isolamento sólido para garantir um produto seguro, fiável e sustentável. A indústria elétrica em geral está a criar alternativas ecológicas de comutação ao gás SF6, numa altura em que a Comissão Europeia vai dar início a uma análise aprofundada que pode resultar na decisão de banir totalmente os gases SF6 dos equipamentos de média voltagem até 2020.

Os painéis Xiria da Eaton são usados para controlar e proteger equipamentos elétricos operados por utilities, proprietários de edifícios comerciais e operadores de ativos de produção de energia renovável, como parques solares e turbinas eólicas. Os Xiria são particularmente valorizados não só pela sua pequena dimensão, mas também pelo facto de exigirem uma manutenção mínima, algo que reduz os custos de operação.

“Empresas como a Tata Steel e o Schiphol Airport têm ligações de 10.000 a 22.000 volts nos seus espaços, para conseguirem endereçar as suas necessidades energéticas. Para proteger a rede de distribuição local e as necessidades de negócio, é recomendada a implementação da solução Xiria da Eaton”, disse Ardo Leijen, Marketing Product Manager, na Eaton. “Se ocorrer um curto-circuito, ou se o gerador falhar, o Xiria da Eaton vai cortar imediatamente a energia de uma forma totalmente segura.”

Parques solares
O Xiria consegue suportar mais de 10.000 operações e desta forma garantir que o sistema está particularmente adequado para aplicações em que o comutador tem que ser ligado várias vezes ao dia, o que acontece nas energias renováveis dos parques eólicos e solares. “Dependendo da disponibilidade de vento e sol, o Xiria liga-se à rede. Na Eaton verificamos um forte crescimento nas indústrias com maior necessidade de comutação frequente”, acrescentou Ardo.

Proibição de equipamentos de comutação com gás
Em 2007, o Protocolo de Quioto identificou o SF6 como um dos gases de efeito estufa mais grave. Logo a seguir, a UE proibiu o gás SF6 na maioria das indústrias e aplicações, como no fabrico de calçado desportivo ou de bolas de ténis. Posteriormente, em 2014, foi autorizada a sua utilização em comutadores de alta e média tensão, mas é possível que a Comissão Europeia proíba totalmente o uso do gás SF6 até 2020. “O Xiria foi criado com base na filosofia de vácuo da Eaton e apresentado em 2002 – com base nas melhores referências de segurança e respeito pelo meio ambiente. Estamos muito à frente do nosso tempo”, sublinhou Ardo.

A linha Eaton Xiria expandiu-se significativamente há pouco tempo, oferecendo uma maior flexibilidade e um produto ainda mais versátil. “Chamamos-lhe a família de produtos Xiria”, explicou Ardo Leijen. “Os clientes podem agora expandir mais facilmente os tipos de bloco Xiria sem terem que comprar os chamados painéis únicos. Só têm que ligar os novos painéis Xiria aos blocos existentes (extensíveis). Este aumento de flexibilidade permite que a Eaton ofereça aos seus clientes um produto não só mais versátil, mas também mais compacto – já que requer 25% menos espaço do que o anterior”.

Artigo anteriorPróximo artigo
é admirador de Steve Jobs e Elon Musk. Apaixonado por novas tecnologias, especialmente ligadas à secção de negócios empresariais e de Gadgets, acompanha de perto todas as novidade do mundo das TI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.