Sonda Rosetta se prepara para o encontro com um cometa

Imagem do 67P/Churyumov-Gerasimenko obtida pela câmera OSIRIS da sonda Rosetta em 1º de agosto, quando a sonda se encontrava a cerca de 1.000 km de distância do cometa. Crédito:  ESA/Rosetta/MPS pela equipe OSIRIS; MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA
Imagem do 67P/Churyumov-Gerasimenko obtida pela câmera OSIRIS da sonda Rosetta em 1º de agosto, quando a sonda se encontrava a cerca de 1.000 km de distância do cometa. Crédito: ESA/Rosetta/MPS pela equipe OSIRIS; MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA




A pedra de Roseta, encontrada no Egito em 1799, possibilitou a compreensão dos hieróglifos e do demótico egípcios, sistemas de escrita empregados na região em tempos antigos, abrindo as portas para o conhecimento que temos hoje do Antigo Egito. Similarmente, a partir de amanhã (06), a sonda espacial Rosetta poderá revelar as facetas de um ambiente ainda desconhecido pela humanidade: se o plano da Agência Espacial Europeia (ESA) der certo, a sonda estudará um cometa em detalhes inéditos.

Em janeiro, a sonda Rosetta foi despertada de um sono profundo para concluir uma odisseia que já dura 10 anos. Depois de muito vagar pelo Sistema Solar, a sonda finalmente avistou o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko, do qual enviou as primeiras fotografias obtidas já em julho.

Agora, o desafio é manter uma trajetória de aproximação em formato triangular até o mês de setembro, quando a Rosetta entrará em uma órbita circular ao redor do cometa, cuja distância em relação ao objeto será de 30 km. O objetivo dessa fase será mapear o cometa e procurar possíveis locais para o pouso do aterrissador Philae, veículo levado pela Rosetta capaz de perfurar a superfície do 67P e recolher material para análise. Uma lista de candidatos a local de pouso será lançada em setembro, e os dados obtidos pelos instrumentos científicos a bordo da sonda informarão aos pesquisadores responsáveis pela missão quanto aos efeitos que a gravidade e os gases lançados pelo cometa — conforme este se aproxima do sol e se aquece — podem ter sobre a trajetória do aterrissador.

Impressão artística do momento em que a sonda Rosetta lança o aterrissador Philae na direção do cometa P67. Crédito: ESA–C. Carreau/ATG medialab
Impressão artística do momento em que a sonda Rosetta lança o aterrissador Philae na direção do cometa P67. Crédito: ESA–C. Carreau/ATG medialab

Levados em conta junto ao mapeamento do cometa, esses efeitos terão enorme influência sobre a decisão final do local, que precisará ser rápida, uma vez que o pouso precisa acontecer até o dia 11 de novembro, prazo após o qual haverá enormes dificuldades para o procedimento, devido ao aumento na emissão dos gases escondidos sob a superfície do Churyumov-Gerasimenko.

As imagens do cometa por ora obtidas revelaram uma aparência semelhante a um patinho de borracha. Em função do formato, criar um modelo tridimensional do cometa se tornou prioridade, a fim de que se compreenda sua força gravitacional. “Estamos adquirindo imagens de hora em hora, para que possamos ver o corpo” e reconstruir aspectos de sua superfície, disse Andrea Accomazzo, diretor de voo da Rosetta.

Observações obtidas na semana passada sugeriram que a temperatura média na superfície do cometa seja de -70 oC, cerca de 20-30 oC mais quente do que o previsto. O resultado obtido indica que a superfície tenha proporcionalmente menos gelo em relação à poeira, fato importante para se avaliar a mudança no terreno conforme a órbita do cometa o leva para mais perto do Sol.

Novas imagens de alta resolução deverão ser enviadas pela Rosetta na manhã de quarta-feira, e a ESA disponibilizará uma transmissão ao vivo do encontro da sonda com o 67P/Churyumov-Gerasimenko no endereço http://rosetta.esa.int/. Um bom show e boas descobertas a todos que puderem acompanhar!

Make-It-Clear-BrasilMake It Clear Brasil

Um apoio ao livre pensamento e a um entendimento do mundo baseado em evidências

Artigo anteriorPróximo artigo
é graduado em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e trabalha como consultor financeiro na Valore Brasil - Controladoria de Resultados. Atualmente, cursa o MBA em Controladoria e Finanças na Universidade de São Paulo (USP). Entusiasta da razão e da ciência, fundou o espaço de divulgação científica Make It Clear Brasil, em 2013.

2 Comentários

  1. Torcendo para que o pouso ocorra bem. Quem sabe a sonda pegará uma carona no cometa e funcionando poderá mostrar novas descobertas de novos mundos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.