Estudo internacional comprova potencial terapêutico de células estaminais no tratamento de lesões desportivas

Estudo internacional comprova potencial terapêutico de células estaminais criopreservadas no tratamento de lesões desportivas

Estudo internacional comprova potencial terapêutico de células estaminais criopreservadas no tratamento de lesões desportivas

Uma investigação desenvolvida pela American Academy of Orthopaedic Surgeons concluiu que a administração de células estaminais após cirurgia ao menisco tem efeitos benéficos no alívio da dor e no processo de regeneração desta cartilagem. O estudo envolveu 55 doentes, com idades compreendidas entre os 18 e 60 anos, submetidos a uma intervenção cirúrgica de remoção total ou parcial de menisco rasgado, uma das lesões desportivas mais frequentes em todo o tipo de atletas, sejam amadores ou profissionais.

“A eficácia da aplicação de células estaminais no tratamento das lesões desportivas mais comuns, como as que afetam o menisco, tem vindo a ser comprovada ao longo dos anos. Existem, resumidamente, três formas de obtenção deste tipo de células: medula óssea, sangue periférico e/ou gordura do próprio paciente ou através da criopreservação das células estaminais do tecido do cordão umbilical. Os dois primeiros métodos são invasivos, dolorosos e apresentam um risco de infeção para o dador. A criopreservação das células estaminais – um processo não invasivo, indolor e sem qualquer risco para a mãe e para o recém-nascido – é, assim, a opção mais segura e aconselhável para a obtenção desta mais-valia terapêutica”, explica Patrícia Cruz, Diretora da Cytothera.

O estudo da American Academy of Orthopaedic Surgeons dividiu os doentes em três grupos: o primeiro grupo recebeu um dose de 50 milhões de células estaminais mesenquimais após uma semana da operação; ao segundo grupo foi administrado uma dose de 100 milhões; e o grupo de controlo recebeu apenas placebo. Os resultados finais demonstraram que os grupos a quem foram administradas células estaminais mesenquimais obtiveram um aumento significativo do volume do menisco durante o primeiro ano mas, em oposição, nenhum dos doentes do grupo controlo chegou sequer ao limiar de 15% de aumento de volume. Os doentes dos dois primeiros grupos, que sofriam de osteoartrose, sentiram igualmente um alívio da dor, ao contrário do grupo controlo.

A lesão do menisco é uma das lesões desportivas mais comuns, especialmente no futebol e corrida, com uma taxa de insucesso de tratamento que pode chegar até aos 45%. Mesmo nos casos de sucesso, após várias intervenções cirúrgicas, a capacidade do atleta na prática desportiva pode ficar gravemente afetada. A aplicação da terapêutica com recurso a células estaminais pode vir a ser uma opção viável para acelerar a recuperação e evitar paragens prolongadas da atividade física.

A Cytothera é uma empresa de biotecnologia pertencente ao Grupo Farmacêutico Medinfar, 100% portuguesa, que desenvolve a atividade de criopreservação em Portugal desde 2005. Foi o primeiro laboratório em Portugal e na Europa a disponibilizar o serviço de isolamento e criopreservação de células estaminais do tecido do cordão umbilical.

Por ser um Banco Privado, as células estaminais que são confiadas à Cytothera pertencem ao bebé. Os pais ficam responsáveis pelas células estaminais dos seus filhos, até que os mesmos atinjam a maioridade.

Artigo anteriorPróximo artigo
Avatar
é um dos fundadores do TecheNet, juntamente com Jorge Montez.. O design é uma das suas paixões, tendo criado o estúdio Parapluie que desenvolve trabalhos de webdesign e design gráfico para os mercados brasileiro e português.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.