Google apresenta medidas para combater pirataria online

Google apresenta medidas para combater pirataria online

A Google revela o relatório anual How Google Fights Piracy que explica resultados, os programas, políticas, as tecnologias decorrentes do combate da Google à pirataria online e como está a ajudar a combater as infracções aos direitos de autor.




Post de Cedric Manara, Head of Copyright

Protegendo o que mais gostamos na internet: uma atualização sobre os nossos esforços para impedir a pirataria online

A Internet permitiu que pessoas de todo o mundo se ligassem entre si, criassem e distribuíssem novas formas de trabalhar, de vivenciar como nunca antes tinha acontecido. Uma parte fundamental da preservação desta economia criativa é garantir que os criadores e artistas têm uma maneira de partilhar e ganhar dinheiro a partir do seu conteúdo – e impedir o fluxo de dinheiro para aqueles que procuram piratear esse mesmo conteúdo. Hoje, estamos a divulgar a nossa mais recente actualização sobre estes esforços.

O nosso relatório de 2018 “How Google Fights Piracy” explica os programas, políticas e tecnologias que levamos a cabo para combater a pirataria online e para assegurar oportunidades contínuas para os criadores de todo o mundo.

Investimos significativamente na tecnologia, em ferramentas e recursos que impedem a violação de direitos de autor nas nossas plataformas. Também trabalhamos com outras pessoas de vários sectores para combater a pirataria. Estes esforços já vêem surtindo efeito: por todo o mundo, a pirataria online tem vindo a diminuir, enquanto que os gastos com o conteúdo legítimo estão a aumentar nas categorias de conteúdos.

Seguem alguns dos principais destaques do relatório deste ano:

  • + de 3 mil milhões de dólares: O valor pago pelo YouTube a proprietários de direitos de autor que monetizaram a utilização do seu conteúdo noutros vídeos através do Content ID, a nossa ferramenta líder da indústria para gestão dos direitos.
  • + de 100 milhões de dólares: O valor que investimos para desenvolver o Content ID, nomeadamente na equipa e de recursos de computação.
  • + 1.8 mil milhões de dólares: O valor pago pelo YouTube à indústria da música – apenas em receitas de publicidade – no período de Outubro 2017 a Setembro 2018.
  • + de 3 mil milhões: O número de URLs que foram removidos da Pesquisa por infracção dos direitos de autor desde o lançamento da ferramenta de submissão para os detentores dos direitos de autor e respectivos agentes.
  • + de 10 milhões: O número de anúncios que não foram aprovados pela Google em 2017 por suspeitas infracção dos direitos de autor ou que estavam ligados a sites ilícitos.

À medida que continuamos o nosso trabalho nos próximos anos, eis os cinco princípios que guiam os nossos investimentos substanciais no combate à pirataria:

Criar mais e melhores alternativas legítimas: A pirataria surge frequentemente quando é difícil para os consumidores acederem a conteúdos legítimos. Com o desenvolvimento de produtos que facilitam o acesso dos utilizadores a conteúdo legítimo, como o Google Play Música e o YouTube, a Google ajuda a gerar receitas para as indústrias criativas e oferece opções aos consumidores.

Seguir o dinheiro: Como a grande maioria dos sites dedicados à pirataria on-line tem como objectivo principal ganharem dinheiro, uma forma de os combater é através da eliminação das suas fontes de receita. Evitamos que os actores envolvidos na violação dos direitos de autor usem os nossos anúncios e os nossos sistemas de monetização e aplicamos vigorosamente estas políticas.

Ser eficiente, eficaz e escalável: Esforçamo-nos para implementar soluções anti pirataria que funcionem em escala. Por exemplo, em 2010, começámos a fazer investimentos substanciais na simplificação do processo de remoção no âmbito de direitos de autor nos resultados da pesquisa. Como resultado, estes procedimentos aprimorados permitem-nos já processar solicitações de remoção de direitos de autor para resultados de pesquisa numa escala de milhões por semana.

Proteger contra o abuso: Alguns actores farão falsas alegações de violação de direitos de autor de modo a que esses conteúdos que não querem online seja removido. Comprometemo-nos a detectar e a rejeitar alegações falsas de violação de direitos, como remoções por motivos políticos ou de concorrência.

Fornecer transparência: Assumimos o compromisso de dar maior transparência. No nosso Relatório de Transparência, divulgamos o número de pedidos que recebemos provenientes de detentores de direitos de autor e de entidades governamentais para a remoção de informação dos nossos serviços.

Hoje, os nossos serviços estão a gerar mais receita para os criadores e os detentores de direitos de autor ligando mais pessoas aos conteúdos de que gostam e fazendo cada vez mais para combater a pirataria online . Estamos orgulhosos nos progresso que este relatório representa. Através da inovação e de parceria contínuas, assumimos o compromisso de restringir as infracções por parte das pessoas mal-intencionadas e, ao mesmo tempo, fortalecer as comunidades criativas que fazem muitas das coisas de que, hoje, gostamos na Internet.

Artigos recomendados:

Ransomware: 5 formas de evitar que uma empresa seja vítima

Conectividade é fundamental nos relacionamentos

Gazorp, o builder de Azorult que vive na Dark Web

Artigo anteriorPróximo artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.