Faltam três milhões de profissionais no mercado de cibersegurança mundial diz Payroll Services Alliance

De acordo com dados divulgados pela Seresco, membro fundador da PSA (Payroll Services Alliance), o mercado de cibersegurança global, carece de três milhões de profissionais em todo o mundo. de acordo com dados da PSA também os perfis destes profissionais incluem formação superior e licenciatura, e vasta experiência profissional, acima de uma década.

O uso da Inteligência Artificial, das tecnologias cognitivas e da robótica para automatizar e aumentar o trabalho , está em plena ascensão, e por isso o redesenho de empregos em varios sectores é já uma realidade. Os empregos de maior procura e com a aceleração mais rápida de remunerações são os empregos “híbridos”, refere a Seresco, ou seja, os que reúnem habilidades técnicas, incluindo operações a nível de tecnologia e operações a nivel de análise e interpretação de dados com habilidades mais leves, em áreas como comunicação, serviço e colaboração.

De acordo com a análise da PSA divulgada pela Seresco, especificamente no mercado de cibersegurança, o fator social tem sido também um dos pontos de viragem. As empresas estão cada vez mais sociais: há uma década, as redes sociais eram relativamente novas mas hoje, após o boom do digital, estas mesmas redes sociais são o centro do marketing e são a ferramenta usada para obtenção de algumas vantagens competitivas. A nivel de emprego, esta realidade também obrigou a uma importante alteração da vida, com o avanço da tecnologia e a acessibilidade à Internet, o requisito do local de residência deixou de ser fundamental; os colaboradores deixaram de “ser locais” e muitas são já as empresas que trabalham com funcionários de várias partes do mundo, o conceito global.

Algumas conclusões igualmente interessantes quando analisado este mercado a nível de Recursos Humanos e Salarial, diz a Seresco, prendem-se com a formação académica dos profissionais do mercado de cibersegurança. A PSA conclui que existe neste perfil um elevado grau de formação educacional, estima-se que cerca de 39% têm licenciatura e outros 34% um mestrado e grau de especialização e experiência profissional relevante de cerca de 13 anos em média. O que leva a que seja mais compreensível o salário anual médio praticado. A título de referência por ser nesta área um dos mercados pioneiros, são os EUA cujo salário médio anual corresponde a cerca de 76.700€ ano.

Geracionalmente, as gerações X e baby boomers representam 49% da força de trabalho de cibersegurança e só 35% representa as gerações Y e Z. No que diz respeito a sexo, as mulheres representam 24% da força de trabalho de cibersegurança em geral, de acordo com a pesquisa.

Apesar disso e sabendo que o perfil é bastante procurado e bem retribuído, uma pesquisa da ISC* confirma que a escassez de profissionais de segurança cibernética é de quase 3 milhões em todo o mundo.

No futuro, sublinha a Seresco, algumas das profissões cujos indicadores nos dizem serão mais apelativas dentro do que é o mercado de cibersegurança temos as de Cloud Computing Security, Penentration testing,  Threat Intelligence Analysis, Forensis e, mais importantes no que diz respeito a especialização e aumento da procura, Governance Task Management and Compliance, Security analysis, Risk assessment, Analysis and Management e Security Engineering.

Artigo anteriorPróximo artigo
Avatar
é admirador de Steve Jobs e Elon Musk. Apaixonado por novas tecnologias, especialmente ligadas à secção de negócios empresariais e de Gadgets, acompanha de perto todas as novidade do mundo das TI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.