Portugal mantém a 28ª posição e Lisboa cai 17 lugares, para a 62ª posição, no Índice de Competitividade Global de Talento

A Adecco divulgou, em parceria com a INSEAD e a Google, os resultados daquele que é o maior estudo global de competitividade de talento alusivo a 2020 durante o World Economic Forum em Davos.

Neste estudo de Competitividade de Talento, que enfatizou a clivagem sentida entre os países de mais altos rendimentos e o resto do mundo, devido em grande parte às novas tecnologias e à Inteligência Artificial, acima de tudo, Portugal mantém uma boa posição num total de 132 países, estando em 28º lugar, e Espanha vem um pouco mais atrás em 32º lugar.

Numa escalada de 0 a 100, Portugal tem os parâmetros de Lifestyle e do Cenário Regulatório (Legislação e Política) a alcançarem as melhores pontuações, respetivamente 82,78 e 76,92, são de salientar o saneamento (dentro de Lifestyle) avaliado com um total de 99,4, o valor mais alto alcançado, e dentro do Cenário Regulatório a estabilidade política com 88,71 e a eficácia do Governo com 78,83, pese embora a corrupção tenha marcado 67,57.

No parâmetro de Atração, a abertura interna que Portugal demonstra também é bem valorizada, com uma pontuação de 75,4. Neste item são de destacar os 95,89 de pontuação para o item de tolerância com imigrantes e 90 para tolerância com minorias. Já no que diz respeito às oportunidades de liderança das mulheres, este pontuou apenas 42 pontos.

De acordo com este estudo, um dos piores parâmetros de Portugal, será o de impacto do talento (35,62) seguido das competências de nível superior (44,92) e também de conhecimento global (40,27)

Nas escalas de Crescimento que implicam a formação e educação e o acesso a oportunidades de crescimento os valores alcançados não passaram da casa dos cinquenta pontos.

Desta análise dos resultados de Portugal no Global Talent Competitiveness Index (GTCI) 2020, resulta a manutenção da imagem global de país afável, tranquilo e pacifico e com uma legislação pouco restritiva, um bom estilo e nível de vida, que contrastam com os pontos menos positivos de edução e formação, fundamentais para a criação, atração e retenção de talentos.

Outros dados interessantes de destacar de Portugal, são: o valor de 49.24 obtido na relação remuneração e produtividade e, talvez a mais baixa de 20, na densidade de robots. A utilização da tecnologia ronda os 76 pontos enquanto o investimento em tecnologias emergentes apenas os 52,88.

Lisboa ao ritmo da Internet

Lisboa desceu este ano 17 posições do ranking, na avaliação GTCI 2020, ocupando agora a 62ª posição face às 155 cidades analisadas. A realidade é que no parâmetro Enable, a velocidade da internet em Lisboa foi avaliada em apenas 31 pontos e no parâmetro de desenvolvimento do Conhecimento Global as ligações aéreas existentes são mal avaliadas, tendo sido classificadas com apenas 17 pontos. Como pontos positivos da cidade destaca-se a segurança (com 94,9) e a qualidade ambiental (com 97,3), a corroborar a nomeação de Lisboa Capital Verde 2020.

Artigo anteriorPróximo artigo
Avatar
é admirador de Steve Jobs e Elon Musk. Apaixonado por novas tecnologias, especialmente ligadas à secção de negócios empresariais e de Gadgets, acompanha de perto todas as novidade do mundo das TI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.