Sorrir: do verbo “quanto mais, melhor”!

photoAMeninaDigital_03-770x472

E lá estava ela, encostada à janela, a espreitar a vida que passava logo ao dobrar a esquina. Deolinda era o seu nome. Ao menos era assim que a menina gostava de imaginar que era este o nome da dona daqueles fartos cabelos brancos. Do outro lado da rua, tentava capturar aquele momento, guardá-lo a sete chaves, cá no pensamento. Depois pensou que esta seria uma atitude um bocado egoísta. Quis partilhar com o mundo. Fotografou-a!

Quase como se percebesse o que se passava do lado de lá da rua, conferindo algum grau de cumplicidade naquele momento temperado com a magia típica dos afetos instantâneos, a simpática velhinha sorriu com os poucos dentes que ainda possuía. E ainda assim… Ah! Foi dos mais lindos sorrisos que alguma vez a menina já tinha visto.

Meio hipnotizada com aquele instante, acabou por perder a chance de perpetuar aquele momento tão sublime [o largo e despretensioso sorriso] num dos retratos que tanto adora fazer.

 – “O tal sorriso, senhoras e senhores, levarei comigo muito bem guardado, entre as prosas e as poesias que gosto de desenhar cá nos pensamentos. O sorriso e o aceno que logo em seguida ofertou-me a gentil senhora e que, de bom grado, levei comigo na algibeira da minha alma.”.

E, então, foi-se embora a menina. Seguiu com a sua vida enquanto via ao longe a Dona Deolinda sorrir e acenar, cada vez mais miudinha. Sorria novamente sempre que relembrava aquela cena. SORRIA COM TODOS OS DENTES O SEU MELHOR SORRISO!

CAssis, a Menina Digital

Artigo anteriorPróximo artigo
Cláudia Assis
Jornalista, Assessora de Comunicação e Gestora de Marcas nas redes sociais, Cláudia Assis tenta definir a si mesma como "uma menina multitask". Aquariana [logo vanguardista!] e nômade por natureza, viu a sua vida ser conduzida numa viagem transatlântica rumo a Portugal. O objetivo inicial era um mestrado em Ciências da Comunicação mas, desde então, vive num enamoramento constante com a terra de Pessoa. E, assim como o poeta, ela é também muitas "pessoas". CAssis é uma delas [talvez a mais intensa] e que nada mais é que uma versão 2.0 de si mesma, um alter-ego nas redes sociais. O que “ambas” têm em comum? Falam muito. Sobre tudo e todos. Têm sempre uma opinião a dar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.