Dyesol paga 5 milhões de euros por nova tecnologia desenvolvida pela FEUP e EFACEC

células-fotovoltaicas-FEUP-EFACEC-Dyesol-techenet-cassis





Com a promessa de revolucionar o mercado das novas energias, a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), em colaboração com o Grupo Efacec, desenvolveu uma tecnologia pioneira a nível mundial que utiliza células fotovoltaicas com soldadura de vidro assistida a laser para produzir energia a baixo custo, algo que pode revolucionar o mercado das novas energias.

A fabricação é de baixo custo, mas a garantia é de grande eficiência energética e durabilidade de até 25 anos. Estas são as principais características das novas células solares de perovskita (PSC), tecnologia desenvolvida numa parceria entre a FEUP e a EfacecA novidade logo atraiu a atenção da empresa austaliana Dyesol, que acaba de comprar a patente pelo valor de 5 milhões de euros.

Adélio Mendes, professor catedrático da FEUP, assina a ideia que deu origem a esta nova tecnologia. Mas foi com a colaboração de Alberto Barbosa (EFACEC) e com a contribuição da Agência de Inovação (QREN), CUF-QI, CIN e EDP que a ideia avançou para a concretização de dois projetos em consórcio – Solarsel e WinDSC – no âmbito dos quais a tecnologia de selagem foi, efetivamente, desenvolvida.

Segundo informações adiantas pela própria FEUP, a parceria com Efacec teve crucial importância que fosse possível introduzir esta tecnologia no mercado a um custo muito baixo, mantendo as características que a tornam única a uma escala mundial e bastante competitiva quando comparada com a tecnologia de silício utilizada atualmente no mercado das energias. “Trata-se de mais um caso de sucesso de parceria entre a Efacec e o mundo universitário”, explica Alberto Barbosa, membro do Conselho de Administração da Efacec, que ressalta, ainda, o potencial desta tecnologia e a relevância destas parcerias académico-empresariais.

Adélio Mendes reforça a importância deste tipo de parcerias e negociações internacionais: “ao vendermos tecnologia de ponta a empresas internacionais estamos a dar provas da nossa capacidade de I&D&I para produzirmos valor industrial, e podemos mais facilmente captar novos investimentos para tantos outros projetos de valor que temos em mãos na Faculdade de Engenharia.”

Depois de comprar a patente, a Dyesol pretende terminar a produção de módulos de demonstração do protótipo até 2016 e alargar e massificar a sua produção a partir de 2018. Animado com as perspetivas comerciais, Ian Neal, presidente da empresa australiana de energias sustentáveis, mostra-se satisfeito com a aquisição da tecnologia e explica que “a durabilidade é o maior desafio técnico neste mercado e esta tecnologia de soldadura tem o potencial de garantir mais de 20 anos de vida aos produtos”.

Artigo anteriorPróximo artigo
Cláudia Assis
Jornalista, Assessora de Comunicação e Gestora de Marcas nas redes sociais, Cláudia Assis tenta definir a si mesma como "uma menina multitask". Aquariana [logo vanguardista!] e nômade por natureza, viu a sua vida ser conduzida numa viagem transatlântica rumo a Portugal. O objetivo inicial era um mestrado em Ciências da Comunicação mas, desde então, vive num enamoramento constante com a terra de Pessoa. E, assim como o poeta, ela é também muitas "pessoas". CAssis é uma delas [talvez a mais intensa] e que nada mais é que uma versão 2.0 de si mesma, um alter-ego nas redes sociais. O que “ambas” têm em comum? Falam muito. Sobre tudo e todos. Têm sempre uma opinião a dar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.