Na Europa, Google perde importante caso sobre direito à privacidade na web




Nesta terça-feira (13), o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) considerou que a tecnológica Google deve responder aos pedidos dos utilizadores e apagar dados e informações pessoais processadas e armazenadas pelos seus servidores, caso os utilizadores do serviço entendam que tal conteúdo possa ser prejudicial.

O caso teve origem a partir de queixa apresentada pelo espanhol Mario Costeja González que fossem apagados do site todos os conteúdos relacionados com a venda da sua casa em leilão, depois de uma penhora por dívidas ao fisco, além dos links nos quais apareciam as informações e dados pessoais nos resultados de busca na página.

Considerado como um marco na privacidade dos dados na Europa, não há recurso possível da decisão. No máximo, a partir de agora, a Google deverá, estar preparada para responder aos pedidos de milhões de utilizadores que possa, eventualmente, solicitar a alteração dos dados utilizados e divulgados pelo motor de busca.

Embora a Google alegue não ser responsável por apagar dados que foram legalmente publicados em qualquer parte do mundo, os juízes do TJUE consideraram que a empresa não apenas aloja conteúdo, como também gere e tem responsabilidade sobre os dados pessoais que são processados nos seus servidores.

A Google já manifestou “desapontamento” e “surpresa” com esta decisão. Com esta notícia, outras gigantes tecnológicas norte-americanas, como a Yahoo e Microsoft, podem ser diretamente afetadas por esta decisão.

Fonte: Dinheiro Digital

Artigo anteriorPróximo artigo
Cláudia Assis
Jornalista, Assessora de Comunicação e Gestora de Marcas nas redes sociais, Cláudia Assis tenta definir a si mesma como "uma menina multitask". Aquariana [logo vanguardista!] e nômade por natureza, viu a sua vida ser conduzida numa viagem transatlântica rumo a Portugal. O objetivo inicial era um mestrado em Ciências da Comunicação mas, desde então, vive num enamoramento constante com a terra de Pessoa. E, assim como o poeta, ela é também muitas "pessoas". CAssis é uma delas [talvez a mais intensa] e que nada mais é que uma versão 2.0 de si mesma, um alter-ego nas redes sociais. O que “ambas” têm em comum? Falam muito. Sobre tudo e todos. Têm sempre uma opinião a dar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.