Facebook nega abusos nos termos de uso do Messenger

Após rumores de que o Facebook estaria passando dos limites no que diz respeito às permissões de uso do seu Messenger, a empresa decidiu pronunciar-se publicamente sobre tais denúncias e publicou no seu site oficial uma declaração onde nega veementemente as acusações.

De acordo com a empresa, as permissões de uso de câmera e microfone referem-se a recursos da própria aplicação que, para tirar e enviar fotografias, fazer chamadas de voz e, ainda, enviar mensagens em vídeo necessita de acesso a determinadas ferramentas, embora elas não sejam utilizadas pelo Facebook à revelia do utilizador

A resposta surge após circular em sites especializados em tecnologia diversas notícias sobre o possível abuso por parte da rede social no que diz respeito aos termos de uso da sua aplicação.

“Nós não ligamos a câmera ou o microfone quando você não está utilizando a app”, é possível ler na publicação de Peter Martinazzi, responsável pela equipa que trata do Facebook Messenger.
“Não ligamos a câmera ou o microfone quando você não está utilizando a app”, lê-se na publicação de Peter Martinazzi.

O comunicado explica, também, os motivos pelos quais o Messenger está sendo separado da aplicação móvel principal: “Estamos empenhados em fornecer uma app de mensagens rápida, confiável e divertida que qualquer pessoa no mundo pode usar para alcançar as pessoas que são importantes para eles (os utilizadores). As pessoas costumam responder cerca de 20% mais rápido quando têm Messenger e acho que os utilizadores encontrarão utilidades nas duas apps de diferentes maneiras.”, diz o texto publicado Peter Martinazzi, responsável pela equipa que trata do Facebook Messenger.

 Da Redação TecheNet

 

Artigo anteriorPróximo artigo
Cláudia Assis
Jornalista, Assessora de Comunicação e Gestora de Marcas nas redes sociais, Cláudia Assis tenta definir a si mesma como "uma menina multitask". Aquariana [logo vanguardista!] e nômade por natureza, viu a sua vida ser conduzida numa viagem transatlântica rumo a Portugal. O objetivo inicial era um mestrado em Ciências da Comunicação mas, desde então, vive num enamoramento constante com a terra de Pessoa. E, assim como o poeta, ela é também muitas "pessoas". CAssis é uma delas [talvez a mais intensa] e que nada mais é que uma versão 2.0 de si mesma, um alter-ego nas redes sociais. O que “ambas” têm em comum? Falam muito. Sobre tudo e todos. Têm sempre uma opinião a dar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.