Prémio Leya 2015 atribuído ao romance “O Coro dos Defuntos”, de António Tavares

Prémio Leya 2015 atribuído ao romance “O Coro dos Defuntos”




O segundo romance de António Tavares foi este ano escolhido por unanimidade com o galardão máximo do Prémio Leya nesta sua sétima edição.

“O Coro dos Defuntos” distinguiu-se entre os 361 originais apresentados a concurso, provenientes de 14 países. Já em 2013, António Tavares não passou despercebido: foi finalista com “As Palavras que me Deverão Guiar um Dia” (edição Teorema, Grupo Leya em 2014) posteriormente galardoado no Festival do Primeiro Romance em Chambéry, em França, e finalista do Prémio Fernando Namora.

O júri presidido por Manuel Alegre e composto pelos escritores Nuno Júdice, Pepetela e José Castello, José Carlos Seabra Pereira, ensaísta e professor da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Lourenço do Rosário, reitor do Instituto Superior Politécnico e Universitário de Maputo, e Rita Chaves, professora da Universidade de São Paulo, declarou, a propósito da sua escolha:

“Estamos perante um romance que tem uma construção sólida, conduzindo o leitor através de uma escrita que inscreve em paralelo o percurso do país e o do mundo ficcional, sem que um se sobreponha ao outro. (…) À versatilidade na composição da narrativa e no cruzamento de vozes e perspectivas corresponde a diversidade de personagens – realistas e simbólicas, típicas e insólitas -, num estilo que sabe combinar matizes tradicionais e actuais da língua portuguesa.

O que é também um aspecto original é o interesse de uma ficção que está sempre a surpreender, integrando aspectos de crenças e visões do mundo popular que tocam o fantástico.”

António Tavares, de 55 anos, nasceu em Angola, formou-se em Direito pela Universidade de Coimbra, é Pós-graduado em Direito da Comunicação pela mesma universidade. Foi professor do ensino secundário e, atualmente, exerce o cargo de vice-presidente da Câmara Municipal da Figueira da Foz. Escreveu peças para teatro e foi jornalista. Como romancista, obteve uma menção honrosa no prémio Alves Redol, atribuída em 2013 pela Câmara Municipal de Vila Franca de Xira ao romance “O Tempo Adormeceu sob o Sol da Tarde”.

Com “O Coro dos Defuntos”, António Tavares oferece-nos uma viagem ao Portugal de 1968 até ao dia 25 de Abril de 1974, um período de intensas mudanças, da morte de um regime e do ressurgimento de outro, espelhado nos habitantes de uma aldeia – Cova da Beira – um retrato da última geração que vive esse momento histórico, a partir da leitura que essas pessoas fazem, nesse preciso momento histórico, de um modo de vida, de um país, de um mundo em constante mudança.

Artigo anteriorPróximo artigo
Ana Reis Felizardo
É licenciada em Sociologia pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Politicas da Universidade de Lisboa, onde também está a fazer Mestrado em Família e Género. Tem uma paixão atribulada pela escrita, com a qual por vezes corta relações. Tem uma relação estável e igualmente apaixonada com a música, o teatro, o cinema, a literatura e demais expressões artísticas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.