Dunkirk: Mais do que Cinema, Uma Experiência Sensorial

Dunkirk: Mais do que Cinema, Uma Experiência Sensorial

No novo filme/espetáculo – Dunkirk – do arrojado diretor Christopher Nolan, somos catapultados a uma experiência sensorial do mais alto nível.

Dunkirk mostra através de impactantes imagens e som/trilha espetaculares e pouquíssimos diálogos, um evento da História pouco conhecido: A “Batalha de Dunkirk” onde milhares de soldados aliados foram evacuados, após serem encurralados pelo exército alemão.

Nolan, conduz a narrativa de tal forma que o filme ultrapassa os padrões cinematográficos corriqueiros, para nos transportar aos horrores da Segunda Guerra Mundial sob três perspectivas de resgate de soldados britânicos: céu, terra e mar.

Com detalhamentos sufocantes de tensão, acompanhamos o piloto aéreo Farrier (Tom Hardy) na luta vertiginosa contra o inimigo em um combate nos céus, de tirar o fôlego.

Em terra, sofremos, à cada instante, com a luta desesperada pela sobrevivência do jovem soldado Tommy (Fionn Whitehead), que ludibria a morte em meio aos caos bélico.

Sobre o mar, um pequeno barco do civil britânico Dawson (Mark Rylance), nos leva, por águas turvas, à incerta e inigualável estratégia de resgate de mais de 300 mil soldados britânicos na praia francesa de Dunkirk (ou Dunquerque).

O diretor Christopher Nolan se firma e reafirma como um dos expoentes qualitativos do meio cinematográfico mundial. Sua filmografia revela uma originalidade indiscutível e, Dunkirk, dá um passo à frente, gigantesco.

Se o Oscar de 2018 for justo, Dunkirk sairá vencedor pelo menos em duas categorias: Direção e Trilha Sonora.

Os acordes claustrofóbicos da tensa e densa trilha sonora, originalíssima, de Hans Zimmer, nos permite imersão total nos dramas vividos pelos personagens em perigo. Não há alívio, não há pausa para fôlego, pois uma guerra, não é feita de mocinhos e vilões. É feita de perdas.

Um filme que já nasce clássico e imperdível. Nos faz sofrer e refletir. É mais do que cinema. É mais do que informação. É uma experiência de vida.

Dunkirk (Dunkirk, Estados Unidos / 2017)

Nota: 10 (5 estrelas)
Direção: Christopher Nolan
Elenco: Fion Whitehead, Mark Rylance, Tom Hardy, Kenneth Branagh

Artigos recomendados:

Jerry Lewis, Um Aloprado Professor da Arte de Fazer Rir

Ismael Moura: o Professor Pardal das artes visuais

O espaço aterrorizante de Alien: a claustrofóbica ameaça de um passageiro

Artigo anteriorPróximo artigo
Ivann Willig
tem 46 anos, é gaúcho, nascido em 1970, em Cachoeira do Sul (RS), mora há 30 anos no Rio de Janeiro. Formado em duas faculdades: Artes Cênica (UNI-RIO) & Cinema (UNESA). Dirigiu e roteirizou 4 curtas: “Elas Preferem Jiló”; “Na Hora de Dizer Sim”; “A Idade da Inocência” (com Marcos Caruso e Roberto Bomfim) e “Escolhas” (com Carolina Kasting e Tuna Dwek). Trabalha como jurado de festivais de cinema (Curta Taquary - Pernambuco & Festival de Coremas – Paraíba) Trabalhou em longas metragens como maquiador, entre eles: “Tropa de Elite 1 e 2”, “Cidade dos Homens”, “Romance”...atualmente trabalha como caracterizador assistente em novelas da Globo. Foi crítico de cinema para o site de Portugal: www.clock51.com e de Los Angeles: www.bdci.tv e também para a Revista Preview. Escreveu um livro autobiográfico, intitulado: “Grades do Preconceito”.

2 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *